terça-feira, 9 de agosto de 2011

Pulp

Eram dez da manhã e estava indo trabalhar. Encostada na janela do ônibus, bem aquela em que o sol batia sem incomodar, não conseguia prestar atenção em nada além de seus pensamentos, da música pesada que ecoava pelos fones de ouvido e do livro que tinha começado a ler naquele mesmo dia.  O ônibus vazio e o trânsito caótico que pegaria em uns poucos minutos davam sinais de que a leitura iria muito longe.

Já tinha tentado ler o mesmo livro antes, mas não conseguiu terminar. Achava um porre, inconveniente, interminável. Mas, dessa vez, foi diferente. Cada frase que lia era devorada com prazer. A leitura evoluía rapidamente, mas era devagar o bastante para fazer com que cada palavra fosse captada por seu cérebro, lhe dando a garantia de que seria difícil esquecer qualquer página daquela obra. Imersa naquela infinidade de letras, tão bem colocadas que só poderia ser de autoria de um de seus escritores preferidos, esquecia o mundo lá fora.

- Esse livro é muito bom.

De repente, foi tirada de seu mundinho. Pensou que alguma fala do livro tinha se materializado em sua cabeça, mas era real demais para ser só sua imaginação. Olhou para o lado e viu um rapaz sentado ao seu lado. Usava All Star vermelhos, uma calça jeans e uma camiseta verde surrada e, apesar do calor, uma touca de lã preta. Não dava para ver seu cabelo, mas tinha a impressão de que era bem escuro, pois emolduraria melhor os olhos azuis e os lábios finos em sua pele branca.

- Esse livro é muito bom – repetiu, abaixando a cabeça para ver a capa amarela, como que para confirmar que não estava falando besteira.

- Ahn... É, também estou achando, comecei hoje – falou meio sem jeito. Não teve nem tempo de tirar os fones do ouvido; as palavras a atropelaram antes que pudesse pensar. – Gosto demais do autor, já li uns quatro livros dele, espero que esse seja tão bom quanto os outros.

- É sim, te garanto. Tenho certeza que você vai curtir muito – disse como quem não tem nenhuma sombra de dúvida sobre o que falava.

E continuaram a viagem em silêncio. Ela voltou para sua leitura enquanto ele colocou os fones de volta no ouvido e trocava de música freneticamente. Depois de uns sete minutos, ela reparou que ele se preparava para descer. Ficou um pouco triste; fazia tempo que não encontrava alguém com gosto tão peculiar para leitura quanto o seu, mas não tinha muito a fazer. Vida em ônibus é assim: cheia de paradas desnecessárias.

- Bom, boa leitura para você – disse com um sorriso sincero no rosto enquanto se levantava e dava o sinal.

- Obrigada! Bom dia para você – ela retribuiu o sorriso e ficou observando enquanto ele descia do ônibus com um tipo de alegria desconhecida. 

Nunca mais se viram, mas achou a atitude do rapaz muito bacana. Além dela, dele, do motorista e do cobrador, todos os outros bancos estavam vazios. Ele não precisava ter se sentado ao lado dela, mas sentou. De alguma maneira, parecia que ele tinha percebido que ela estava precisando de um estímulo naquele dia, principalmente para acabar de ler o livro que tinha rejeitado tão ferozmente no ano anterior, por motivos que só ela conhecia. 

Até hoje, não faz ideia do que a levou a continuar a leitura; se era a curiosidade para ver se o livro era mesmo tão bom ou se simplesmente já estava pronta para lê-lo dessa vez. Mas, três dias depois do bate-papo no ônibus, já tinha terminado de lê-lo e já tinha o colocado de volta na estante.

E compartilhou da mesma opinião do garoto: o livro era, realmente, muito bom. 

Pulp, de Charles Bukowski (1993).

6 comentários:

littlemarininha disse...

Fiquei curiosa pra saber que livro é esse, sério!

@julianojubash disse...

é o do título, não é?

littlemarininha disse...

Chegou o meu Pulp ;)

Anônimo disse...

Desencontros...

Larissa Bohnenberger disse...

Pois é, menina! Às vezes a gente conhece algu´m numa situação completamente rotineira, mas essa pessoa acaba nos dizendo aquilo que a gente tá precisando ouvir.

Ah, tô na área de novo, rsrsrsrsrs!

Bjs!

Marina disse...

Palavras de estímulo são coisas tão simples, né? Pena que são raras.

Beijos!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...