quinta-feira, 16 de setembro de 2010

O que faz um blog existir

ou "um recado aos leitores da blogosfera"

Precioso leitor,

Você já deve ter reparado no selo aí ao lado, presente nesse blog há umas duas semanas. Se você já tiver lido o texto do Rob Gordon - um dos meus blogueiros preferidos, que teve a manha de reunir citações de meus outros blogueiros preferidos no post que está linkado -, provavelmente saberá do que se trata esse texto. Se ainda não tiver lido, esse post será perfeito para você. 

Mas, antes de qualquer coisa, explicarei o título. Você sabe o que faz um blog existir? O Tico e o Teco que existem embaixo dessa sua cabeleira singular (ou dessa careca charmosa) sabem qual é o principal motivo da existência de um blog? É você, seu lindo! Sem sua rica presença, o Caleidoscópio não é nada!

Claro, claro, o Caleidoscópio não precisa apenas de você. Ele precisa de mim também. Afinal, se eu não colocar minha criatividade e meus dedinhos para funcionar, você não ficará nada feliz. Nem eu, nem o Caleidoscópio, nem ninguém.

Para você ter uma pequena noção de como você é importante para mim e para esse blog, o que me levou a fazer esse texto nesse exato momento foi um comentário no post anterior. Tenho certeza que esse leitor, que preferiu não se identificar, reparou no selinho em belos tons de verde, já que deixou a seguinte mensagem:

“Dê vida a esse blog. Publique!”

Obrigada, leitor anônimo. Não sei se você foi irônico ou sincero, mas sei que você entendeu o recado. Você deve ter lido o post do Rob Gordon. Você fez algo muito correto. Eu precisava ser cobrada para lembrar que tenho leitores que gostam e se importam com esse simplório blog! Essa é uma das maiores alegrias de um blogueiro: receber as opiniões sinceras de seus leitores, pois é assim que evoluímos; que colocamos a mão na massa; que aprendemos, e muito.

Simpático leitor, a sua importância é indescritível, acredite em mim. E, continue acreditando quando digo que não há nenhum blogueiro na face desse grande planeta que não se importe com seus leitores.

Explico: quando alguém faz um blog, ela busca pessoas que se interessem pelos seus textos, apreciem seu estilo, se emocionem com suas palavras. Ela também pode estar atrás de pessoas que discordem completamente de tudo que é publicado, mas isso gera uma discussão essencial para o blog. Blogueiro que diz que não se importa em ter leitores e que não está nem aí para o número de comentários de seu último texto está mentindo, digo isso com convicção. Oras, se quisesse algo privado, esse novo escritor poderia fechar seu blog para visitas externas. Ou poderia ter um diário com um cadeado, coisa eficiente que eu fazia na minha adolescência.

O que quero dizer aqui, incomparável leitor, é que, sem você e sem suas opiniões, eu e a blogosfera não seríamos nada. Não tenha vergonha de trazer uma discussão saudável para os blogs que você sempre lê. Nós, blogueiros, sabemos que você está presente, pois, pelo menos no Caleidoscópio, a contagem de visitas está bem alta, e isso me deixa muito feliz. Mas, como vou saber se você está gostando do conteúdo? Se um texto te fez rir ou te deixou puto de tão ruim que estava? Só vou saber de qualquer coisa sobre você e sua experiência com os textos do blog por meio dos comentários. Entendeu a importância que tem sua palavra do outro lado do balcão?

É importante lembrar que esse texto não está sendo feito para aumentar o número de comentários no MEU blog, mas sim para mostrar a importância da sua presença para todos os blogueiros. Se você ler o texto do Rob Gordon, entenderá que esse é um fenômeno que atinge toda a blogosfera. Estamos carentes da opinião dos leitores. Precisamos disso para viver. Você, estimado leitor, já parou para contar quantos blogs que você sempre gostou de ler foram deletados ou pararam de ser atualizados? A sua ausência ativa pode ser um dos motivos que causou essa dura perda. Você não quer que isso se repita, certo? Nem nós!

Antes de encerrar esse recadinho, insubstituível leitor, sinto que preciso citar três coisas:

1. Um dos pontos que o Rob cita em seu post é a importância do Twitter para a divulgação, e eu tenho que concordar. Fiz o caminho contrário: esse blog surgiu muito depois do tempo em que todo mundo tinha blog. O Caleidoscópio não tem nem um ano e não tenho nem coragem de colocá-lo no mesmo patamar do Champ, o Acepipes, o Isadorable, o Anos Incríveis, o Respeite Meus Mullets, o Não Tava Assim, o Palavra Final ou o Blog do Tyler, entre tantos outros que são referências para mim e, importante acrescentar, maioria esmagadora que conheci pelo Twitter. Mesmo assim, é algo que me motiva e descobri que tenho muito prazer em fazer, desde qualquer detalhe do layout até um texto que seja muito pessoal. É como um filho e eu nutro um amor imenso por ele e pelas pessoas às quais ele me levou.

2. Faço aqui um mea culpa: assim como você, esquecido leitor, também sou leitora e também falho na hora de me expressar em meus blogs favoritos. Às vezes deixo para mais tarde e esqueço, às vezes é um texto tão forte que não sei que palavras usar, às vezes não dá tempo. Mas, como tudo nessa vida, a gente só aprende quando acontece com a gente. Agora que escrevo, sei como é ruim não saber o que meus leitores pensam sobre algum texto. Pretendo ficar mais atenta a isso. Então, querido leitor que também é blogueiro, mais cedo ou mais tarde, posso aparecer com um comentário para você!

3.
Preferi não falar do Shuffle porque é um assunto mais delicado. Esse é meu filho que é o amigo da galera e dá muito mais trabalho para mim que imaginam, mas que sei que tem um futuro brilhante e, apesar de todo o suor gasto nele (mesmo que vocês não saibam ou não pareça), o amor é o mesmo.

Após discorrer sobre tantos pensamentos que saltitam em minha mente, já é hora de me despedir de você, admirável leitor. Agradeço a atenção e espero que esse recadinho tenha te inspirado a escrever muitos comentários por todos esses blogs que percorrem sua lista de favoritos. Ah, e é claro, não se esqueça do Caleidoscópio, hein?

Aliás, falando em lista de favoritos, gostaria de saber se você, sábio leitor, poderia me ajudar com uma coisinha: percebi que em todos os blogs que o Caleidoscópio está listado como favorito, ele não se atualiza. Está parado em um post sobre a minha mudança. Alguém sabe como resolvo isso? Agradeço muito!

17 comentários:

.a que congemina disse...

Costumo me segurar nos comentários, porque sou fominha, quero citar cada detalhe e sempre acho que tô, na verdade, incomodando.
Isso, claro, por uma idiotice minha, já que eu mesma adoro comentários detalhados.

Argh! Humanos!
=P

By the way concordo com as razões para não comentar. Caio muito na do tempo. Gosto de dar a atenção devida e muitas vezes o tempo não é suficiente. =~~

Nina Scafutto disse...

Esse post A-R-R-A-S-O-U. Sou fã deste blog, e mais fã ainda da autora!
Saiba que o Caleidoscópio é leitura obrigatória pra mim, por mais que eu nunca tenha deixado um comentário! Prometo comentar mais!
Ah, e obrigada por essa injeção de ânimo para que eu dê um gás no meu blog, que anda às traças, coitado! Hehehehe.

P.S: Natalia, quando eu lançar um livro qualquer, você será encarregada pelo prefácio! Sou APAIXONADA PELO SEU TEXTO.

Charlie disse...

É, menina Máximo.
O comentário do nosso chapa "Anônimo" também me pegou no contrapé...
Acho que todos nós, blogueiros e leitores, devemos tomar um peteleco desse de vez em quando...

Adorei saber que o Não Tava Assim é uma referência para você... Mesmo sabendo que isso é só mais um efeito da pasta de dente... =P

Beijo

Charlie disse...

É, menina Máximo.
O comentário do nosso chapa "Anônimo" também me pegou no contrapé...
Acho que todos nós, blogueiros e leitores, devemos tomar um peteleco desse de vez em quando...

Adorei saber que o Não Tava Assim é uma referência para você... Mesmo sabendo que isso é só mais um efeito da pasta de dente... =P

Beijo

Natalia Máximo disse...

Hahaha, eu também sou assim, Mayra! SEMPRE quero falar de todos os detalhes do texto, é quase um novo post em um comentário hehehe

Nina, tô muito feliz que você goste do meu blog, sério mesmo! Aaah, e você tem um blog? Eu sou a pessoa ideal pra forçar os outros a tirarem a poeira dos seus hahaha. E vai ser uma honra escrever o prefácio do seu livro, pode contar comigo!

Flavia disse...

Nati!!
Eu quero depopis voltar aqui para ler esse texto com calma, respirando...
Estou no trabalho, aí já viu, né?
Mas ó, bati o olho por cima e posso adiantar que já GOSTEI!!!!

Bjs e até mais tarde!

Natalia Máximo disse...

Ok, Flá, vou esperar! =p

Anônimo disse...

Olá, eu sou o Anônimo. Eu fiz o comentário "Dê vida a esse blog. Publique!". Devo admitir que meu comentário foi feito com pequenas pinceladas de ironia. Na verdade me senti um pouco cobrado ao ver o selo em tons de verde carregando os dizeres “Dê vida a esse blog. Comente!”. Pensei .. poxa a culpa é minha?! Será que foi uma mania de culpa que tenho? Acho que no fundo foi uma forma de descarregar meus problemas. Acho que fui um pouco longe. Acho que todos deveriam contribuir mais. Aprendi (não dessa vez .. acreditem!) que os leitores não entendem o poder do comentário. Acho que comentários possuem um poder de impacto maior do que os textos. Devemos tomar bastante cuidado. Mas espero que todos os leitores desse blog tenham entendido meu comentário!
Não foi só uma forma de criticar. Na verdade veja esse comentário como uma maneira de pedir mais textos, mais dramas, mais reflexões, mais contos engraçados ... ou o que seria de nós sem conhecer a dama de vermelho?! Ou o caso do cano de gás cheio de água?! Ou o artista das curvas de Santos?!
Bem .... tudo isso são as reflexões de um Anônimo. Qual é a credibilidade desse comentário? Qual é a credibilidade do palhaço? Por favor, não levem a sério. Mais uma vez foi um desabafo de apenas um anônimo que viaja todos os dias pelo universo da blogosfera. O Anônimo deve parar por aqui? Encerrar sua viagem delirante? Ou o Anônimo deve continuar em sua loucura solitária? Isso vai render um novo “post”? ;)

Natalia Máximo disse...

Anônimo,

Não pense que estou te criticando pelo comentário no post anterior. Na verdade, foi uma luz e, quando te agradeci, fui verdadeira. Às vezes, fico desanimada para escrever por N motivos: não tenho tempo, o trabalho e a faculdade estão me desgastando muito, não tenho nada de novo para contar...
E é aí que penso no outro lado, nos leitores. Eles querem coisas novas! Sei disso porque também sou leitora e sei como fico quando meus blogs favoritos não atualizam. Mas foi só agora, depois de ter blog que percebi o poder que um comentário tem, independente de quem seja.
Eu tenho muita sorte. Os leitores do Caleidoscópio são inteligentes, engraçados. Fiquei sabendo que todo blog tem um leitor anônimo, que faz comentários impertinentes. E, novamente, eu dei sorte, já que o meu leitor anônimo, com apenas dois comentários, já gerou ótimas discussões. Espero que você continue aparecendo por aqui!
Ah, por favor, não se sinta culpado. Minha única intenção é que os leitores saibam o efeito que um simples comentário tem sobre uma pessoa. Esse post não foi feito para obrigá-los a comentar - e já peço desculpas se foi isso que pareceu - e sim para mostrar que não é preciso ter medo de comentar. Vocês são meus críticos do New York Times e minha balança. São vocês que me mostram como as coisas estão indo, se estão boas ou não, sejam anônimos ou não.

Natalia Máximo disse...

E, Anônimo, acredito que você vá gerar outros posts, já que agora estou pensando em quem você deve ser e se um dia descobrirei! Cuidado, sou uma ótima detetive! Hahahaha

Anônimo disse...

O problema é que agora outras pessoas poderão usar o meu pseudônimo "Anônimo" para postar falácias aqui. Como irá saber se o anônimo será o verdadeiro (eu) e não um anônimo falso (não eu)?

Natalia Máximo disse...

Já previa algum problema desses, Anônimo. Vou confiar em você e no seu estilo, ninguém copia a forma de escrever perfeitamente. Tenho essa mania de pensar sempre no melhor das pessoas, né...

Anônimo disse...

Ok então! Acho que você vai saber quando o verdadeiro Anônimo deixar um "pitaco" por aqui.

Mel disse...

Com Natalia num tem como escapar pela tangente mesmo, ela te pega no pulo.... tsc tsc tsc... Nat, aqui estou para me redimir por hoje pela manhã (fui querer ser malandra e dizer q eu não estava vendo VMB ontem e portanto eu lera seu post... Aí, vc q num perde uma, me encurralou com a pergunta: "comentou?" e eu fiquei com cara de "ué?"...) Mas não me dei por vencida, ok?! só tenho a dizer um mto obrigada pelas ótimas cutucadas indiretas e/ou diretamente, comentarei mais e me inspirarei mais a também buscar leitores no tão projeto blogdamelissa pra logo menos... Assim espero, AMÉM!

Natalia Máximo disse...

HHAHAHAHAHA, sou muito malandra mesmo,né, Mel? Espero que você inicie o projeto Blog da Mel logo logo, estou louca pra comentar horrores por lá!

Má-Má disse...

então vc tem noção de como foi legal postar hoje e já ter um comentário seu no Palavra. tive exatamente esse sentimento que vc descreveu...de vida! rs.
o nome do palavra surgiu por causa dessa necessidade que a gente tem de estabelecer diálogo, de se sentir vivo mesmo...e não for por isso, não tem por que (man)ter esse bichinho virtual. :)


sou sua fã, Nat!! :)

Má-Má disse...

reli meu comentário e agora vi como ele ficou bagunçado.
hahahaha
se não tivesse me identificado, com certeza vc não me confundiria com o anônimo...hahaha
facilitei sua investigação, hein, sherlocka.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...